Fique por dentro

14/01/21 16:52 | NOTÍCIAS

Cuidar da saúde mental está na ordem do dia

Cuidar da saúde mental é uma necessidade ainda mais quando o cenário envolve uma pandemia. O isolamento social e as restrições e cuidados no exercício da sociabilidade levaram ao agravamento de quadros de ansiedade e depressão no Brasil e no mundo. Resultados preliminares de pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde em 2020, com 17 mil brasileiros, relevaram que 86,5% dos entrevistados apresentavam algum quadro de ansiedade patológica.

De acordo ainda com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil já apresentava o maior número de pessoas com ansiedade no mundo, cerca de 18,6 milhões, antes mesmo da chegada da Covid-19. Além de ocupar o segundo lugar nas Américas em número de pessoas com depressão, com mais de 11 milhões de brasileiros com a doença.

Segundo a psicóloga Renata Bandeira (CRP 21ª/01976), da Humana Saúde, esses números são um alerta para a necessidade de não descuidar da saúde mental. Ela explica que a campanha do Janeiro Branco é ainda mais oportuna em virtude do momento que estamos vivendo.  

“Em decorrência do isolamento social, o número de pessoas com ansiedade aumentou bastante, então a gente vê a necessidade de uma atenção e um cuidado ainda maior no tratamento da ansiedade e também da depressão. E o Janeiro Branco é justamente uma oportunidade para conscientizar as pessoas da importância delas olharem para suas emoções e sentimentos, e perceberem o que está acontecendo, procurando ajuda quando necessário”, ressaltou.

A psicóloga explicou ainda que a escolha do mês de janeiro para abordar a saúde mental é porque, simbolicamente, janeiro representa recomeços e é um momento propício para mudanças, mas que também traz angústias pela pressão de tomar decisões e de planejar novas realizações.

“Em janeiro, geralmente, é quando as pessoas têm as resoluções de metas de começo de ano, é também quando as pessoas se cobram mais e se voltam para estabelecer objetivos para o ano todo, por isso, é importante que nessa época seja promovido a atenção com o autocuidado porque tanto as pessoas estão propícias para isso como esse destaque para a saúde mental pode ajudá-las a lidar melhor com pressão de mudar”, frisou Renata Bandeira.

Psicofobia dificulta tratamento

A psicóloga da Humana Saúde frisou também a importância de vencer o preconceito contra o tratamento e procurar ajuda quando o sofrimento psicológico for intenso e continuado.

“Uma das coisas que mais atrapalha no tratamento da ansiedade e depressão é a psicofobia que é o preconceito contra quem tem um transtorno mental. Isso faz com que a pessoa que sofre do problema não procure tratamento quando é preciso. Ao se dizer que uma pessoa deprimida é preguiçosa, se faz de vítima ou que é isso frescura, você endossa o preconceito. Então, ter uma postura empática com o outro é fundamental para que as pessoas que estão com depressão e ansiedade não fiquem envergonhadas de procurar ajuda”, frisa Renata Bandeira.

Janeiro Branco – "Quem cuida da mente, abre um sorriso pra vida"   

Originalmente criada em 2014 por psicólogos de Uberlândia, Minas Gerais, a campanha do Janeiro Branco ganhou vulto e foi incorporada ao calendário de saúde brasileiro por sua grande relevância.

Atentos à importância da saúde mental, o Grupo Med Imagem abraçou a campanha trazendo como mote “Quem cuida da mente, abre um sorriso pra vida”. O foco está na atenção às emoções, com destaque ao estresse promovido pela pandemia e um alerta à necessidade de buscar tratamento quando necessário. 

Para isso, o GMI está engajado em promover a divulgação de informações úteis e de qualidade sobre o tema.

Ascom GMI
Por Catarina Santiago