Fique por dentro

24/02/21 17:17 | NOTÍCIAS

Lúpus: doença inflamatória ainda é pouco conhecida

Algumas doenças ainda são pouco conhecidas do público em geral, mas são mais comuns do que se imagina. O Lúpus Eritematoso Sistêmico ou, simplesmente, lúpus, é uma delas. De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, as estimativas indicam que existam cerca de 65.000 pessoas com a doença apenas no Brasil.

Apesar de ser mais prevalente em mulheres, o lúpus pode ocorrer em pessoas de qualquer idade, raça e sexo. Ele se caracteriza como uma doença inflamatória crônica de origem autoimune, que possui dois tipos: o cutâneo e o sistêmico. O lúpus cutâneo se manifesta com manchas vermelhas na pele, mais precisamente nas áreas que ficam expostas à claridade. Já o lúpus sistêmico atinge os órgãos internos.

De acordo com o reumatologista Ruy Sampaio (CRM-PI 4429/RQE 4048), especialista que atende no Grupo Med Imagem, os sintomas aparecem de forma diferente em cada paciente.

"Os sintomas do lúpus podem variar de paciente para paciente, mas as principais queixas são dores articulares, manifestações de pele, principalmente, nas áreas expostas ao sol, inflamação do pulmão (pleura) e do coração (pericárdio), anemia, alterações sanguíneas e doença renal", explicou o médico.

De acordo com o especialista, outros sintomas também podem surgir. "É comum que o paciente também apresente sintomas gerais como cansaço, desânimo, febre, emagrecimento e falta de apetite. Por isso orientamos que na persistência dos sintomas citados, é necessária a avaliação de um médico", destaca Ruy.

Causas

"As causas da doença ainda não são totalmente conhecidas. Por ser uma doença autoimune, estudos evidenciaram a participação de fatores genéticos, fatores hormonais e fatores ambientais. Por isso, formas de prevenção também são desconhecidas, mas ter uma vida saudável com bons hábitos alimentares, sono adequado e prática de atividade física pode ajudar sempre" alerta o médico.

Diagnóstico

Para o diagnóstico de lúpus, a avaliação dos sintomas pelo reumatologista é fundamental. A confirmação da doença é feita a partir de exames clínicos e laboratoriais. "Embora não exista um exame que seja exclusivo, a presença do exame chamado FAN (fator ou anticorpo antinuclear) principalmente com títulos elevados, em uma pessoa com sintomas característicos de lúpus, sugere um diagnóstico de maior certeza", ressalta Ruy Sampaio, que reforça ainda que mesmo que o exame seja positivo, ainda deve ser levada em consideração uma criteriosa análise clínica para ter certeza se há a presença da doença.

Tratamento

O tratamento para uma pessoa diagnosticada com lúpus inclui o uso de medicamentos, sendo o apoio familiar e social muitos importantes para evitar novos episódios. "De uma forma geral, o tratamento sempre inclui remédios para regular as alterações imunológicas do lúpus e medicamentos gerais para regular alterações que a pessoa apresente em consequência da inflamação causada pela doença, como hipertensão, inchaço nas pernas, febre e dor", explicou.

Lúpus x Covid-19

Ainda de acordo com o especialista, pacientes com doenças reumáticas como o Lúpus apresentam taxas de infecções maiores do que a população geral.

"O risco de evolução desfavorável da Covid-19 parece estar relacionado primariamente aos fatores de risco de maior vulnerabilidade pessoal, como idade acima de 60 anos e comorbidades. Para imunização, pessoas com doenças reumáticas imunomediadas estão no grupo prioritário, mas o ideal é que o paciente converse com seu reumatologista, que analisará o grau de atividade de sua doença e as medicações de sua rotina, para avaliar a oportunidade mais adequada para receber a vacinação", afirmou Ruy Sampaio.

Mitos e conscientização

A falta de informação sobre o lúpus levou a alguns mitos. "O principal mito é sobre o contágio da doença. Lúpus não é contagioso. Outro mito é sobre a sensibilidade ao sol, mas, na verdade, a sensibilidade não é à luz do sol, mas sim à claridade", afirma o médico.

Por isso, a conscientização sobre as doenças é o primeiro passo para trabalhar a prevenção e avançar em um diagnóstico precoce, principalmente para doenças crônicas, que não têm cura.

Pensando nisso, o Grupo Med Imagem está promovendo a campanha #Fevereiro da Conscientização, que tem como objetivo levar esclarecimento e informações úteis para o público em geral sobre as doenças de Alzheimer, Lúpus, Fibromialgia e Leucemia.

"Campanhas de conscientização são muito importantes pois elas aumentam o alcance à informação e diagnóstico correto de doenças pouco conhecidas como o Lúpus", concluiu o médico.

Ascom
Edição: C.S.